No Alentejo viaja-se naturalmente com e pela História.

Alentejo

No Alentejo viaja-se naturalmente com e pela História.

(Crie sua conta gratuita ICLIGO e descubra os preços lowcost que lhe podemos proporcionar na sua proxima estadia no Alentejo)

A abundância e a qualidade do Património que a exprime tornam simples a sua descoberta, mas quem visita a região pela primeira vez pode sentir alguns problemas de escolha.

Se é o seu caso, não hesite: opte pelas nossas sugestões e verá que a magia do Alentejo se encontra, com um infinito prazer, em todos os lugares.

Selvagem, intocada, onde o mar se encontra com a serra e as ravinas nos fazem ter vontade de voar. Falamos da Costa Vicentina, dona de algumas das mais belas praias de Portugal e a mais bem preservada zona costeira da Europa.

Um destino de sonho, para conhecer, saborear e regressar.

O início: São Torpes e Porto Covo, descendo para Odeceixe

É sem dúvida uma das zonas mais bonitas de Portugal, e uma das mais belas e bem preservadas zonas costeiras da Europa: a Costa Vicentina, com os seus 110 Km de costa selvagem e cerca de 75 mil hectares de área protegida, inseridos no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina.

Trata-se de um destino único para os amantes da natureza, com trilhos, praias desertas, falésias, ondas com carácter, ravinas vertiginosas e muito por descobrir.

De Porto Covo a Sagres, fizemos uma pequena seleção para se perder e encontrar.

É em São Torpes que começa o Parque Natural do Sudoeste do Alentejo. Esta praia entre Sines e Porto Covo é também a primeira praia de surf do litoral alentejano.

É escolhida por muitos devido à água quente do mar, pois encontra-se perto da zona portuária e industrial de Sines.

Chegando a Porto Corvo, esta antiga aldeia de pescadores do Alentejo que atrai cada vez mais pessoas, pela sua beleza, calma e praias, apetece ficar e apreciar o momento.

Outro ex-libris é a praia da Ilha do Pessegueiro. A ilha tem cerca de 340 metros e comprimento e é toda ela de arenito dunar.

Continuamos para uma sul, já quase a entrar no Algarve, até Odeceixe, perto de Odemira.

Com as suas casas brancas caiadas e pouco mais de mil habitantes, a praia é rainha.

Chega-se até ela por uma estrada bem sinalizada e cá de cima, de um miradouro, pode-se contemplar e apreciar a paisagem. Na praia, uma particularidade: o oceano Atlântico encontra-se com o rio Seixe num leito de água bicolor.

É como se houvessem duas praias, uma marítima e a outra fluvial.

De Aljezur ao Cabo de São Vicente

Pouco antes de chegar a Aljezur encontra-se a praia da Amoreira, extensa, de areia branca.

A praia nasce junto ao sítio onde desagua a Ribeira de Aljezur, formando um belo estuário que desemboca no mar. O resultado é uma praia imensa que parece fazer uma espécie de curva, na qual serpenteia uma lagoa.

A seguir, a praia da Arrifana.

Esta é uma das praias mais populares do Alentejo e dona de uma beleza única.

Em forma de concha, fica muito perto de Aljezur e é o local ideal para praticar desportos como o surf e bodyboard. Apesar de ser uma das mais frequentadas da zona, nunca está cheia e essa é a grande vantagem das praias da região.

Temos uma boa parte de areia só para nós. Na zona sul, a meio da praia, encontra-se uma grande rocha vertical, a Pedra de Agulha, imagem de marca de muitos dos postais da região.

Passada a pitoresca vila da Carrapateira, chega-se a duas praias igualmente belas.

A do Amado é considerada uma das melhores de Portugal para a prática do surf.

A da Bordeira oferece quilómetros de praia só para nós, sem mais ninguém e dizem que se podem avistar lontras.

Trata-se de um enorme areal onde o mar e o rio Carrapateira se encontram. Rodeada por dunas, é dona de uma incrível beleza.

Já chegando a Sagres, está na altura de conhecer o Cabo de São Vicente, situado no extremo sudoeste do continente europeu, perto da Ponta de Sagres, e que tem fascinado os povos ao longo dos séculos. Era difícil imaginar o mundo para além das suas tormentas.

Os descobrimentos vieram mostrar que havia mundo para além das suas águas, mas este cabo continua a manter a sua aura de mistério e bravia.

Dizem que aqui se vê o pôr de sol mais espetacular de todos.

A pé pela Rota Vicentina

Não é para todos, mas os amante de caminhadas e do contacto com a natureza não podem deixar de experimentar.

Costa Vicentina

Costa Vicentina

Fazer a Rota Vicentina, que vai desde o Cabo de São Vicente até Santiago do Cacém.

São mais de 200 quilómetros de percursos pedestres ao longo desta costa de cortar a respiração.

As paisagens são de sonho, selvagens e por explorar.

Pelo caminho vai passar por aldeias típicas, vilas de pescadores, subir a serras e olhar para o mar lá ao fundo.

Esta é uma oportunidade única de conhecer cada palmo da costa, a sua gastronomia e muito mais.

Há duas rotas assinaladas: a histórica e a dos pescadores.

Na primeira segue-se o caminho usado pelos peregrinos, viajantes e habitantes durante as suas deslocações pela região.

As fontes, igrejas e lendas contam a história do local. Já o trilho dos pescadores vai de São Torpes a Burgau.

Geralmente são de difícil acesso e não aconselhado para quem tem vertigens.

(Crie sua conta gratuita ICLIGO e descubra os preços lowcost que lhe podemos proporcionar na sua proxima estadia no Alentejo)

Dentro da nossa equipa temos vários representantes espalhados pela mundo, mas estamos representados essenciamente em territorio nacional, onde ja somos milhares , ( é possível juntar se a nós  adquirindo o seu negocio na área do turismo ) e estes falam nos maravilhas do Alentejo , como um destino turístico imperdível e impossivel de descrever num simples artigo.

Leave a reply