Sugestoes para o dia dos namorados....

São Valentim à porta, propomos alguns dos locais mais poéticos de Portugal.

Para namorar e inspirar...

 

Montesinho

É um local onde o tempo passa mais devagar, tão devagar que se não atentarmos já somos passado. São assim muitas aldeias da serra de Montesinho, navios à deriva num tempo onde a vida ainda é marcada pelos ritmos da natureza.

Arcos de Valdevez

A vila atravessada pelo rio Vez, que nasce na vizinha serra do Soajo para depois se juntar ao rio Lima, condensa uma ideia de bucolismo idílico, sobretudo quando lhe percorremos as entranhas — aquelas que se abrem junto do Vez, com espaços relvados aprazíveis, onde não faltam espaços para repousar e provar a gastronomia minhota; ou sobre ele (a chamada “ponte velha” é incontornável nas fotos aqui: de final de século XIX substituiu a medieval, também com quatro arcos, que deu origem ao nome à povoação). O centro da vila não é avaro de casas antigas, que emanam uma certa rusticidade senhorial, de igrejas (são cinco, destacando-se a de Nossa Senhora da Lapa, barroca, o ex-líbris da vila, incontornável com a sua cúpula rococó), e o seu pelourinho, manuelino, é notável. E em terras de natureza mansa, um mergulho na ruralidade total está sempre a pouca distância — por exemplo, o Soajo, com os seus icónicos espigueiros de granito.

 

Douro, Provesende

Estamos em pleno Alto Douro Vinhateiro, em pleno território Património Mundial da UNESCO. Em planalto com vista para o rio Pinhão e para as vinhas da mais antiga região demarcada do mundo, Provesende tem natureza rural, alma antiga (há vestígios de povoamento pelos lusitanos e o castro ainda hoje é um miradouro de excelência sobre esta paisagem protegida) e vocação evidentemente vinícola.