Basta partir uma perna para se começar a ver o mundo com outros olhos.

Ou ter familiares idosos, ou passear pela cidade com bebés em carrinhos. As dificuldades são inúmeras, constata-se, e dão um significado bem mais abrangente à expressão “mobilidade reduzida”: todos nós podemos ser um dia confrontados com o problema, mesmo sem, por uma qualquer fatalidade, ficarmos para sempre presos a uma cadeira de rodas


Estar confinado a uma também não é impeditivo de desfrutar dos prazeres da vida, nomeadamente viajar pelo país ou pelo mundo. É necessário, claro, precaver algumas situações – como qualquer outro viajante com necessidades especiais, seja a extrema sensibilidade ao sol ou alergias alimentares, por exemplo. Salvador Mendes de Almeida, que ficou tetraplégico aos 16 anos na sequência de um acidente de viação, já viajou o seu quinhão e destaca dois destinos particularmente atractivos para quem, como ele, se move numa cadeira. Um deles é Barcelona, uma cidade acessível na verdadeira acepção do termo, com hotéis, restaurantes, bares e outros espaços públicos devidamente adaptados. O outro é Nova Iorque, igualmente preparada para acolher quem tem a sua mobilidade reduzida. Em ambos os casos, no entanto, uma das maiores diferenças estará no modo como são vistas estas pessoas: como pessoas comuns. 

Há muitas pelas ruas, a dirigir-se para o trabalho ou simplesmente a desfrutar da cidade, sem precisarem de auxílio porque existem respostas para as suas necessidades. 



Viagens e experiências
Falar de acessibilidade é falar da existência de rampas, de elevadores, de quartos espaçosos e com pouco mobiliário, de casas de banho adaptadas, de transportes em viaturas também adaptadas, de passeios rebaixados.

Muitas unidades hoteleiras, por exemplo, possuem quartos com as características adequadas, mas acabam por não ser acessíveis devido a “pormenores” como pavimentos em gravilha, impossíveis de percorrer numa cadeira de rodas.
É por isso que, neste caso específico, os serviços de uma agência de viagens podem ser fundamentais para umas férias bem sucedidas. 


Para quem prefere ir para fora cá dentro, estão disponíveis diversos alojamentos aprazíveis, desde o cinco estrelas Praia D’el Rey Marriott Golf & Beach Resort, em Óbidos, ao turismo rural Casa Quintal do Rossio, no Alandroal, ou o Hotel Solverde de Espinho 

Não há limites para pessoas com mobilidade reduzida – a não ser degraus e obstáculos afins, que vai sendo mais do que tempo de eliminar definitivamente. 



Descontos que vão até aos 50% na sua próxima estadia